sexta-feira, 17 de novembro de 2017

VERSOS PARA ILIANA - do Livro VERSOS LIVRES

                             FELIZ ANIVERSÁRIO ILIANA


Não canto parabéns pra você,
Porque é a música mais chata do mundo;
Nem falo de amor vida a vida
Porque não nos pertencemos.
Não rezo missa
Porque odeio o clero vagabundo,
Nem digo tolices
Porque te desejo como amiga
e como eternidade.
Falo do amor... Platônico
Que há na gente inteligente
Como a gente.
Falo da confirmação dos nossos entendimentos,
Apesar da distancia luminar
Que existe entre nossos corpos
De segredos.
Falo da intimidade
Que se houvesse, nos diríamos
Verdades transcendentes.
Falo da identidade que há
Entre os deuses do Olimpo
De nossas consciências.
E a minha ciência
- o amor indefinido
E indiviso...
Mais psíquico que somático,
Mais etéreo que terráqueo,
Embora com saudade
Dos que vivem a matéria bruta
Do corpo a corpo,
Do chão a chão. 
Falo do senão
Obrigatório do convencionalismo;
Do meu enredo de família,
Das minhas risadas francas,
Do silencio,
Da gônada do nada
Que une razões sem razão determinada.
Falo de nós dois. 

              Belo Horizonte, 1974.



quarta-feira, 1 de novembro de 2017

ARAUTOS DO CAOS


     ARAUTOS DO CÁOS

Americanófilos,
Homofóbicos,
Machões,
Homossexuais,
Bissexuais,
Lésbicas,
Hermafroditas,
Apátridas
E traidores,
Leonino,
Rotarianos,
Maçons,
Evangélicos ensandecidos,
Falsos profetas,
Idólatras,
Homens e mulheres
De um só livro
Que os doutrinam;
Analfabetos e alfabetizados,
Pseudo-intelectuais,
Corruptos e corruptores,
Vendilhões da Pátria,
Ignóbeis seres
Perdidos na ignomínia,
Míseros pastores de ovelhas
Mocas e imbecilizadas,
Idiotas e idiotizados,
Sem exclusão dos idiotizantes,
Mequetrefes infelizes,
Mentes atrofiadas,
Escravos do capitalismo voraz,
Vendilhões da Pátria -
Arrependei-vos
Da própria indignidade
De serem servis!
Deixem o Coliseu
Onde as feras devoram
Cristãos e Ateus,
Mitômanos, cientistas
E intelectuais.
Visitem o Louvre,
O Quartier Latim,
Andem margeando o Sena,
Meditem!...
Leiam Rousseau, Voltaire,
Diderot, D’Alembert,
Montesquieu e Auguste Comte,
Pensem se puderem pensar,
Nos Enciclopedistas,
Retrocedam a 1789,
A 1917 e até 1930,
Percebam a Revolução dos homens,
Mulheres e crianças,
Que mudaram os seus mundos
E os transformaram em sociedades humanas
Dignas e patrióticas.
Ouçam a voz de Jean Valjean,
Reflitam em Victor Hugo
O andar dos Miseráveis.
Espelhem-se em Mao Tsé Tung,
Em Lao Tsé,
Em Lênin, em Trotski,
Não permitam
Que a herança de Batista
Com seu bordel,
Nos atinja.
Visitem Cuba a libertária
Em sua humildade de fazer Doutores,
E Seres independentes, sem fome.
Aventurem-se
Em Alexandre Dumas
E nos deixem sair das masmorras
Da indignidade,
Onde não temos a oportunidade
De ler Alfred de Musset,
Alfred de Vigny,
Flaubert, Paul Sartre,
Balzac, Proust,
Stendhal e Camu.
Reflitam se puderem,
Se ainda resta em vossas consciências,
Um pouco, sequer,
De inteligência e dignidade,
Nos caminhos tortuosos
Que trilham e tentam nos levar.
Visitem Notre-Dame de Paris,
A Catedral Sacré-Coeur de Marie,
O Louvre,
Voem com Antoine de Sant’Exupery,
Façam um vôo noturno,
Ou, viagem com o Pequeno Príncipe,
Vejam as estrelas e sintam
Que não as possuem,
Nem podem ofuscar os seus brilhos...
Permitam que as suas luminosidades
Vos informe das suas insignificâncias
Diante do firmamento e do espaço cósmico.
Vossas mentes
Terão que alcançar Buda,
Confúcio, Lao Tsé,
Mao Tsé Tung,
Lenin e até Fidel,
Libertários a ser seguidos,
Ou, pelo menos,
Peguem uma carona
Na moto de Che Guevara,
Até que possam entender
Que mais vale a Pátria amada,
Do que a amada Pátria alheia
Que vos corrompe
E que nos domina, nos escraviza
E nos coloniza.

                   Em uma tarde de indignação, com o rumo da Nação Brasileira, combalida e dominada por forças alienígenas.


         Feira de Santana, 05 de agosto de 2017. 

sábado, 21 de outubro de 2017

ILUSTRAÇÃO PRAÇA DO NORDESTINO


CRÔNICAS

PRAÇA DO NORDESTINO


(Da série Filhos da Princesa).


 Dos filhos da Princesa que habitavam a Praça do Nordestino, como era conhecida, ainda me lembro, - Sevilho Carneiro o fazendeiro honrado com imensas terras no distrito de Jaguará; o Promotor de Justiça descendente de Castro Alves - o poeta dos escravos de versos líricos e libertários que pregava – “Oh! Bendito o que semeia Livros... livros a mão cheia e manda o povo pensar, o livro caindo n´alma é germe que faz a palma, é chuva que faz o mar”. O que dizia “Sou pequeno, mas só fito os Andes”. Lembro da família Cunha de D. Tereza de brilhantes festas em sua residência reunindo amigos para comemorar aniversários inesquecíveis, de prole digna; de Dona Petu com sua altivez, de ar tranqüilo como a rocha que não se abala com as intempéries, e de seus netos que se fizeram doutores e professores honrando a Princesa; da moça linda da esquina com a Rua Carlos Gomes, que passava fagueira pisando macio, de corpo leve e escultural, que como uma garça sombria trazia inveja no seu caminhar; do moço que por algum tempo roubou minha namorada da Usina de Algodão; de Teodorico próspero comerciante; da Pensão Brasil de Mané Quaresma que mesmo com muitas andanças pôde educar seus filhos; Barreto o bancário e sua glamorosa esposa das colunas sociais de Eme Portugal, com o bom vizinho Chico Maia de saudosa lembrança. Ali naquele logradouro público, imponente, ficava o Abrigo Nordestino do encontro de boêmios vindos de suas serenatas, onde se tomava o bom conhaque de Alcatrão São João da Barra para “cortar a gripe” colocando-o no pires com um pouco de açúcar, riscando o fósforo e tocando fogo, após, abafando, era servido em taça ainda quente, antes do sono do guerreiro. Muitas foram as noites que pela madrugada de violão em punho, vindos das serestas, cantávamos o vasto repertório de Francisco Alves, o Chico Viola, Rei da Voz – “A lua vem surgindo cor de prata, do alto da montanha verdejante, na lira do cantor em serenata, reclama da janela a sua amante...”. Pois é, como dizia Ataulfo Alves – “falaram tanto que a morena foi embora...”, e foram todos. Restam casas comercias na agonia do materialismo voraz, do eterno enriquecer e até o abrigo de muitos encontros transformaram em loja de confecções. Não mais o pão com manteiga, o cafezinho quente, o conhaque e o bom churrasco servido para os homens da noite e para os viandantes de plagas distantes que passavam cruzando norte/sul e vice versa. As famílias hoje se abrigam em Condomínios protegidos por guaritas e seguranças, fugindo dos marginais gerados na “barriga da miséria” (Chico Buarque). Não mais as matinês do Cinema Íris de Belarmino com sua lanterna a retirar os “moleques” do ressinto, das segundas-feiras das fitas de Caubói, de Billy Elliot, Zorro, Roy Rogers, Cavaleiro Negro, Flash Gordon no Planeta Ming, O Gordo e o Magro, Três Patetas, das cortinas abrindo ao som de “Oh abre a cortina do passado, olha a mãe preta do serrado, olha o rei momo no gongado, Brasil... Brasil”. Penso minha Princesa, que o progresso é a contramão do humanismo e o materialismo é a estrada por onde vão par e passo a fartura e a fome, caminhando juntos para o nada.

Feira, 11.06.2009. 



                        MILTON DE BRITTO

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

POEMA Nº 4 - LIVRO "O EU SOFRIDO"

Deixe-me pensar,
Vagar ou divagar
Sem nenhuma afirmação
Ou negação, absolutas;
Viver o circunstancial
À tua presença,
Em convivência sem conveniência
Outra, senão a de nós dois.
Deixe-me fugir ao pré-determinado,
Saber que não afirmo
E não defino.
Que não busco a explicação
Mais ou menos lógica.
Que não quero e não pretendo
O certo ou o incerto;;;
Que busco apenas
"A lógica do nada".

Deixe-me pensar,
Vagar ou divagar
Sem nenhuma conclusão;
Sem temor e sem tremor;
Sem razão ou com razão;
Sem ódio e sem amor;
Na pretensão apenas
Da "lógica do nada".

A metafísica, a praxi,
O empíreo pensamento humano,
A verdade e a mentira,
A glória e o obscurantismo,
A física,
A dor,
A voz,
O sentimento,
A valsa,
O verbo,
O nominalismo...
Uma série de conceitos
Formulados e determinados.
Explicações perenes, pretendidas,
Mentalidades confusas e finitas.

Invejo a fé e a pretensão
Dos absurdos,
E tantos creem...
E versificam
E supõem...
E tanto se pretende,
Enfim, na humanidade...
E tanto se propõe
Humanamente,
Para a dízima - eterna -periódica,
Do problema:

 "A lógica do nada".

05/06 à 08/06/68.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

PUBLICAÇÃO DOS MEUS LIVROS E CDs


Poeta desde o ano de 1952. Sai da gaveta para a edição de livro em 1989, embora tenha publicado diversos Poemas em Jornais e Revistas, no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e na União Soviética, além de vasta distribuição de Poesias no Largo do Machado, quando lecionava na Paróquia da Glória, como ato revolucionário contra a ditadura militar de 64.
Abaixo, uma das Poesias:

Eis-me aqui, oh Deus!
Inerte, sem a movimentação
Comum dos homens;
Sem um pensamento nobre,
Para consolar os duvidosos
E os sofridos como eu.
Sem uma palavra de fé
Que possa ratificar
A crença dos idólatras.
Sem um olhar, porque não percebo...
Sem amor, porque não o sinto.
Sem concepção alguma
Porque não me foi dado
O direito de pensar
Ou assimilar ainda, coisa alguma.
Eis-me aqui, Senhor,
Em minha inocência
Ainda mal nascida.
Eis-me aqui, privado
Até mesmo das obrigações
Mais Fúteis.
Calado, como por castigo,
Como se tivesse sido eu
O delator de Cristo.
Como se tivesse sido eu
O lançador da bomba de Hiroxima.
Como se fosse eu
A consciência do covarde.
Por que tenho eu que suportar, estático,
Em silêncio, sem voz para a defesa
Dos erros que não cometi?
Por que tenho eu que concordar
Com a morte de minha inteligência
Por nascer, embora cresça e desenvolva
A minha forma física de nada?
E tenho que vos crer, crença do mundo,
Antítese de todas as catátrofes
De que a humanidade gera sem limite
E sem Senhor.
E tenho que sonhar em cada alma,
A vossa imagem pura,
Porque assim determina o velho e o novo
Testamento dos homens.
E TENHO QUE VOS CRER?

1972.
----------------------------------------

Poesia em homenagem a minha filha Simone que nasceu e viveu por 13 anos com vida vegetativa. Um grito de dor.