domingo, 10 de junho de 2018

CAUSA-ME ESPÉCIE E INDIGNAÇÃO



CAUSA-ME ESPÉCIE E INDIGNAÇÃO


Causa-me espécie e indignação, ter estudado tanto a ciência jurídica e ver os meus pares praticando a antijuridicidade, a interpretação da conveniência, a aplicação de normas, segundo os interesses econômicos e financeiros de cada um; Ver mestres se degradando em atos escusos pelos honorários vis da indignidade, porque a ética não se aplica aos que se beneficiam da própria torpeza; Causa-me indignação ter estudado tanto a filosofia dos homens que buscam tantas explicações para as suas razões e entendimentos da sua própria essência e, não admitindo o seu estado de ignorância, cultua o não saber, perdendo-se nas elucubrações do nada, associados aos que pregam a existência do não ser e a subordinação mitológica do medo; Causa-me intolerância a farsa, a traição, a falta de patriotismo, o desapego aos princípios morais, a ausência de razoabilidade para a compreensão, a negação das leis universais e dos homens, por ser mais fácil a acomodação dos covardes e a usurpação da consciência pelos manipuladores de plantão; Afronta a minha inteligência a união dos meus semelhantes para vilipendiar a consciência dos lacaios e tacanhos, retrógrados e imbecilizados, estimulando-se a inércia do saber, porque mais prospera a sociedade repleta de marionetes e zumbis, anestesiados pela lavagem cerebral, globalizada, para atender aos interesses imperialistas dos que nos colonizam; Causa-me espécie e indignação, a instalação da iniqüidade, da exploração do ser pelo ser, enaltecendo a ordem dos incultos e a irresponsabilidade dos que se dizem justos; Causa-me indignação a apologia dos indignos que fingem não entender as suas próprias indignidades através das quais se locupletam e se degeneram. Envergonha-me a prosperidade da ilicitude e o silêncio conivente dos poderosos; Enoja-me ter que pisar na lama podre das ruas e avenidas das mentiras estruturadas; E, causa-me tristeza não ter forças suficientes para mudar tudo, mentes, conceitos, filosofia e a essência humana em benefício do próprio ser evoluído ou em evolução.
Causa-me espécie e indignação.

Em um dia qualquer do ano de 2016.

Do Livro - "NOVAS CRÔNICAS E HISTÓRIAS"
AUTOR : MILTON BRITTO

quinta-feira, 24 de maio de 2018

ANTES ERA  - OU O BRASIL ACABA COM A SAÚVA OU A SAÚVA ACABA COM O BRASIL! AGORA É OU O POVO ACABA COM OS APÁTRIDAS, TRAIDORES E CORRUPTOS, OU ELES ACABAM DE UMA VEZ COM O BRASIL E COM O POVO. NÓS TEMOS UMA PRAGA QUE PRECISA SER ERRADICADA = OS VENDILHÕES DA PÁTRIA ASSOCIADOS AOS SUBSERVIENTES, ESCRAVOS DO DÓLAR.
VEJAM O EXEMPLO QUE A VENEZUELA ACABA DE DAR COM ELEIÇÕES LIVRES E UM POVO SOBERANO. O LACAÍSMO É UMA FORMA DE ESCRAVIDÃO.


O QUE COLHEMOS DO IMPERIALISMO, DOS TRAIDORES DA PÁTRIA, DOS CORRUPTOS, DOS APÁTRIDAS. = O CAOS!

quarta-feira, 4 de abril de 2018

PRIMEIRO DE ABRIL DE 1964 - O DIA QUE O BRASIL CAPITULOU




PRIMEIRO DE ABRIL

            Rua Ferreira Viana, nº 56, bairro do Flamengo, Rio de Janeiro, Estado da Guanabara, Brasil, 1º de abril de 1964, madrugada. Acordei com os aparelhos de rádio dos vizinhos ligados, ouvindo-se em bom som apelos de Abelardo Jurema, Ministro do Governo de João Goulart - Presidente da República Federativa do Brasil, conclamando as forças regulares, nacionalistas e devidamente constituídas, para se reunirem em resistência contra um Golpe de Estado que se deflagrava comandado pela Embaixada dos Estados Unidos da América do Norte, enquanto navios de guerra daquele país aportavam próximo à Costa da Bahia da Guanabara.
            Carlos Lacerda, outrora comunista, agora americanófilo, pretendendo assumir o governo da república, uma vez que não conseguira pelos meios democráticos, articulava também o golpe e pateticamente, abrigava-se no Palácio das Laranjeiras, com caminhões da limpeza pública, com alguns correligionários armados de revolveres, espingardas e fuzis velhos da polícia local, dizendo-se cavaleiro da salvação nacional contra os monstros do comunismo. Diziam que os comunistas eram hereges comedores de crianças. Era o primeiro de abril, que se saberia - peça trágico-cômica pregada aos brasileiros que foram dominados durante vinte anos.
            Muitos morreram em nome da “democracia”, nos porões da ditadura, outros jogados ao mar, outros refugiados em diversos lugares, inclusive em outros países e muitos ideais sepultados.
            Destituíram em nome da falsa democracia, governo legítimo, constitucionalmente constituído e diversos oportunistas enriqueceram, à custa da miséria de um povo vencido, desprotegido e desarmado.
            A minha carreira dupla de artista e professor foi castrada, pelas perseguições infundadas.
            Carlos Lacerda, após a concretização do golpe, dirigiu-se à residência do então General Humberto de Alencar Castelo Branco, no bairro Peixoto, na esperança de que fosse ele Carlos o escolhido para governar o país. - Ledo engano. O Gal. gostou da idéia de lhe convidarem para assumir a chefia da Nação, aceitou, tornando-se Marechal e primeiro Presidente da República nomeado pelo regime militar, concedendo provisoriamente a direção do recém criado Banco Nacional da Habitação para a sua afilhada - Sandra Cavalcante. Pouco tempo depois cassaram Carlos Lacerda, após haverem cassado João Goulart, Juscelino Kubitschek, Miguel Arraes, Leonel Brizola e outros que tiveram asilo em países vizinhos e na Europa, sendo assassinados os três primeiros.
            O meu sonho de juventude de viver num país alegre, independente, eminentemente nacionalista, com rumos próprios, foi sepultado, não no Cemitério São João Batista ou na Pavuna, mas no sepulcro das idéias.
            Pelo que se sabe e a história relata, foram eliminados de forma misteriosa - João Goulart, Juscelino Kubitschek, Castelo Branco, Costa e Silva e posteriormente Carlos Lacerda, uns por não concordarem com a cartilha da subserviência, outros porque as pantomimas são afastadas quando perdem a serventia. Todos - vítimas dos interesses econômicos escusos do imperialismo monstruoso que domina o mundo ocidental.
            Naquele primeiro de abril, pregou-se a mentira mais dolorosa que já se assistiu no Brasil.

MORAL: Triste é o povo que não comemora o dia da razão e vive eternamente num primeiro de abril, vítima da sua própria ignorância.

Itaparica, 23.01.2004.

Edson Luiz
Estudante Edson Luis, morto pelos militares, no Restaurante Calabouço, no Rio de Janeiro em 1968. Ano em que deixei tudo para traz.

segunda-feira, 26 de março de 2018

REFLEXOS DE UM PERÍODO OBSCURO DE NOSSA PÁTRIA



CONTEMPORIZANDO


 " Liberdade !...
Ainda que tarde "
Liberdade
No meu peito arde.
  
Amai crianças!
Amai profundo
O mar da minha terra...
A flor sutil, o lodo imundo,
A flor da serra...
  
Amai o sol nascente
E liberto.
Amai o mais dolente,
O mais esperto.

Avante bravos...
Ruy e castro...
Avante - os bandeirais
Nos mastros.
      
 Liberdade!
Clama o burgo,
A plebe, o extra,
O dramaturgo.
  
Liberdade ou sangue:
Gritam - Pedro e Xavier.
Liberdade ao povo,
Por Rousseau ou por Voltaire.

Ao cume
-          O líder, o libertário.
Ao lume
-          O demagogo, o refratário.

 Avante Brasil!
Avante povo amado!
Avante civil!
Avante soldado.


              Rio de Janeiro, 1965.


ATUALÍSSIMO PARA O MOMENTO  - 2016/2018. (GOLPE DE ESTADO)